segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Jornalista australiano preso no Egito é libertado

O jornalista australiano da al Jazeera, maior emissora de televisão jornalística do Catar, Peter Greste, libertado pelo Egito, lutará para que seus dois colegas condenados como ele por apoiar a Irmandade Muçulmana também sejam colocados em liberdade, informou sua família.

O Egito ordenou no domingo a expulsão de Greste, condenado a sete anos de prisão por ter divulgado "informações falsas" e ter apoiado a Irmandade Muçulmana do presidente destituído Mohamed Mursi.

Peter Greste foi detido em dezembro de 2013 ao lado do jornalista Mohamed Fadel Fahmy (que tem cidadania egípcia e canadense), ambos acusados de terem instalado, sem autorização, um escritório da emissora no quarto de um hotel.

A emissora Al-Jazeera celebrou a libertação do repórter australiano, mas pediu a libertação dos outros jornalistas detidos no país.

"Estamos felizes de que Peter e sua família possam estar reunidos", declarou Mostefa Souag, diretor geral interino da Al-Jazeera Media Network.

"Não estaremos tranquilos até que Baher Mohamed e Fahmi também sejam libertados", completou, em referência aos outros dois jornalistas da emissora que permanecem detidos no Egito.

Após o anúncio de libertação de Greste, o governo canadense anunciou esperar a pronta liberação do jornalista egípcio-canadense Mohamed Fahmi. O ministro das Relações Exteriores canadense, John Baird, disse estar "muito seguro de que o caso de Fahmi será resolvido rapidamente".

Os dois jornalistas foram detidos em plena crise entre o Egito e o Catar, após a destituição de Mursi em um movimento liderado pelo ex-comandante do exército e atual presidente, Abdel Fatah al-Sissi.

Os dois foram condenados, em junho de 2014, a penas entre sete e dez anos de prisão.

Segundo um decreto recente promulgado por Sissi, os jornalistas estrangeiros condenados no Egito podem ser deportados para cumprir as penas em seus países de origem, mas é improvável que Greste ou Fadel Fahmy sejam julgados.

A detenção dos jornalistas provocou críticas em todo o mundo.

Nenhum comentário: